Arcanos Maiores: A Lua e Seus Mistérios

A Lua no Tarot Marseilles ou Marselha (francês)

Há milênios, a Lua e seus mistérios nos intriga. Ela, que influencia as marés e os ciclos agrícolas, o luzeiro da noite, testemunha das juras de amor e maldição e dos segredos da alcova, foi relacionada aos mistérios maiores que dividem a existência em ciclos de vida, morte e renascimento. A Lua influencia os ciclos de fertilidade do solo, dos animais, plantas e pessoas. A Lua, cúmplice das bruxas, mãe e avó sagrada da Terra, é a dona de toda magia. Comandante das criaturas da noite. Inspiradora das artes, dos artistas e a protetora dos amantes.

No Tarot, a Lua simboliza o que está além do controle. É uma carta complexa, com várias camadas de interpretação.

Neste artigo, analiso os elementos de sua simbologia tradicional e comento sobre as inovações e seus reflexos na maneira de perceber o arcano A Lua:

Lua Plena

Em geral, a Lua é representada na forma plena. A opção não vem de uma escolha meramente estética. A fase cheia é a manifestação do poder total da Lua.

Alguns ilustradores optaram em adicionar as linhas que representam as demais fases, a exemplo do Tarot Marseille (Marselha). Esta opção serve para lembrar que o poder da Lua está em seu auge, uma vez que a Lua Cheia concentra todas as demais fases; além de servir de lembrete ao seu caráter perpétuo e transitório.

Na simbologia do Tarot, a Lua Cheia no céu é a transmissora da magia, e também um símbolo de fertilidade. Portanto, em questões relacionadas a tais temas, a Lua tende a confirma-las.

O Tarot de Crowley, no entanto, incorporou a simbologia da Lua Minguante, a fim de destacar os poderes maléficos do arcano. Para quem segue essa tradição, existem diferenças de interpretação consideráveis entre este e outro método

Em Crowley ou Thot, a Lua é um símbolo de esterilidade, punição e sacrifícios. Um presságio quase sempre negativo para os romances e os negócios. Mas no Tarot Marseille ou no Rider-Waite, sua presença tende a indicar aumento de ganhos ou lucros nas questões financeiras e atrair fama quando associada a cartas positivas ou ao naipe de Paus.

A Lua indica acontecimentos que se desenrolam durante à noite ou “na ausência da luz”, a exemplo de romances clandestinos, conspirações, segredos e traições. É sempre um alerta para o que os olhos ignoram ou negligenciam, portanto, deve-se redobrar a atenção na assinatura de contratos e nas rotinas.

O Lagostim

O Lagostim é um crustáceo aquático de hábitos noturnos, que pode habitar tanto os mares quanto os rios. Antigamente, ele simbolizava o signo de câncer, atualmente representado pelo caranguejo.

No Hemisfério Norte, o período das águas se inicia quando o Sol entra no signo de Câncer. A representação do Lagostim emergindo das margens de um rio, lago ou praia remete a época das cheias, quando a chuva é abundante

A água é o elemento emocional. Tal qual as marés, a Lua também exerce influencia sobre as águas internas ou humores humanos. Não obstante, ela é o astro regente do signo de Câncer, que simboliza o transbordar das emoções.

Os antigos gregos acreditavam que os humores refletiam a quantidade de certos fluídos, como sangue, o plasma, a bílis e a fleuma, circulante no corpo.

A Lua remete ao plano emocional e simboliza tudo que mexe com as águas internas, causando estados oscilantes de humor. Mas lembrando que são estados derivados de um transbordamento emocional, as oscilações representadas pelas Lua partem de uma visão exagerada e pouco realista das circunstâncias.

A pessoa sob influencia da Lua sente pavor de uma situação que sequer se concretizou, sente rancor de uma circunstância que perdeu completamente a importância, ilude-se com um amor que não é correspondido ou torna muito maior um problema que, na verdade, é simples.

No destaque, a deusa lunar grega Hécate, protetora das encruzilhadas e da magia, com seu cão de três cabeças Cérbero. Nos pés da imagem, o caranguejo

A Lua pode indicar a ocorrência de situações além da esfera de disponibilidade, mas, na maioria dos casos, ela é um alerta sobre a própria conduta emocional. Quando as emoções e o ego fogem do controle, podemos nos tornar os piores inimigos de nós mesmos.

Na Astrologia, o signo de Câncer e seu regente, a Lua, referem-se ao passado. Especialmente quando associada ao Naipe de Espadas, a Lua adverte para a existência de crenças, sonhos e pensamentos negativos e repetitivos que minam a autoestima e impedem a evolução. É o momento de repensar e liberar-se de ressentimentos.

Na visão do Tarot de Crowley, a simbologia astrológica da Lua não é ligada a Câncer, mas, ao signo de Peixes, que representa a Décima Segunda Casa Astral ou o Inconsciente. Neste caso, o plano emocional de Câncer assume a dimensão psíquica e espiritual de Peixes. Quem segue essa tradição deve tomar cuidado, pois, aqui a leitura não assume os traços mais individualistas do tratamento dado pela simbologia tradicional. Pode referir-se a fatores que sequer são conscientes, mas, que influenciam a questão, tais como: premonições, magia, projeções de sentimentos e desejos dos outros que são aceitas como próprias, lembranças de vidas passadas e fatores ancestrais, etc.

As Duas Torres
Inspirado no Rider-Waite, coloca em destaque a Lua Nova – a face oculta da Lua Plena.

Existem vários entendimentos sobre a simbologia das Torres. O Tarot Rider-Waite acrescentou à simbologia original o limiar, representado por um rio ou caminho que separa as duas torres. Este limiar pode ser interpretado como a linha tênue entre o consciente e o inconsciente, o imanente e o transcendente, a ilusão e a realidade.

Na visão do Tarot de Crowley, as Torres formam um portal de acesso para a consciência superior, sem a qual é impossível distinguir a verdade da ilusão. Tal visão é considerada válida pelos leitores de Rider-Waite, porém, a perspectiva mais aceita é que o limiar simboliza o caminho do meio ou do equilíbrio, única saída para o exagero ou extremismo emocional.

Particularmente, entendo que a simbologia tradicional quis destacar o caráter dúbio da carta.

Os espelhos foram objetos que intrigaram a humanidade. Como no romance de Alice no País das Maravilhas, eles já foram vistos como portais para dimensões estranhas.

A Lua e a Torre no Tarot de Oswald Wirth

Existe uma teoria de que a carta da Lua possui apenas uma torre: a outra consiste num reflexo distorcido, como são todas as coisas na dimensão dos sonhos, da imaginação ou do mundo “além do espelho”. Isto porque uma das torres corresponde a mesma Torre do arcano XVI, que no Tarot Wirth é ilustrada de forma idêntica.

Em outra leitura, as torres representam a vulva. O lago, o útero materno. O arcano a Lua é a representação da energia feminina, doce e, ao mesmo tempo, severa. O signo de Câncer é a Quarta Casa Astral, ligada ao útero e à mãe. A Lua pode representar o medo ancestrais relacionados ao feminino, tais como: o medo do abandono, o medo (nos homens) de se comprometer; além de problemas de relacionamento com a mãe.

O Cão e o Lobo
Inspirado no Rider-Waite, este Tarot substitui a figura do lobo pelo lobisomem para melhor se adequar ao tema. O lagostim está representado em menos destaque à esquerda da imagem, como um cartaz

No Tarot Rider-Waite e outros esotéricos e/ou modernos são representadas as figuras do cão e do lobo, o que inova a simbologia do Tarot Marseille. Exceto pelo uso de cores diferentes, as criaturas apresentam traços semelhantes e característicos do cão doméstico. Tal distinção pode ter o objetivo de representar a variedade de cores e formas dos cães ou ocorreu por mera opção artística. Porém, nada indica que essa opção sirva para informar que pertencem a raças diferentes.

Embora baseada na iconografia do tarot francês, seria um erro atribuir a presença do lobo nos tarôs esotéricos a um equívoco. Assim como o cão, o lobo também é um animal lunar, haja vista a cor e variedade de sua pelagem, do preto ao prateado, os hábitos noturnos e o curioso costume de uivar a Lua. No Tarot Rider-Waite, cada qual desempenha uma função simbólica importante, que é reforçar o caráter ambíguo ou dúbio da carta. O cão tem como atributos: a amizade, a lealdade, a obediência e a docilidade, cuja função é representar as características maternas e acolhedoras da energia feminina da Lua. O lobo é um animal selvático que tem por atributos: a sagacidade, a força e a ferocidade. Ele exerce a função de representar o lado sombra, os poderes ocultos e as forças incontroláveis da Lua, tais como: a magia, os inimigos ocultos, a loucura, a ansiedade, as compulsões, as obsessões e os excessos.

 

A Lua no Tarot de Thot

Nem sempre o inimigo oculto nas sombras é o outro. A maioria das vezes, o maior inimigo de nossos propósitos somos nós mesmos. Não obstante, disse certa vez Thomas Hobbes que o “O homem é o lobo do próprio homem”.

Movidos pelo medo, culpa, crenças falsas, ressentimentos, remorso e raiva, agimos com severidade contra si próprios e contra as pessoas que mais amamos. A Lua, em aspecto positivo é um chamado para observar a nós mesmos. Ver o outro lado do espelho e entender nossa participação nas crises e revezes que se precipitam.

Uma realidade difícil, permeada por segredos e traições diz mais respeito a nós do que aos outros ou as circunstâncias. A Lua, nesse caso, funciona como um lembrete para olhar para o que existe dentro.

 

Mais sobre tarot? Siga nossa página no Facebook para acompanhar todas as atualizações do blog! Aproveite e deixe uma mensagem com sua sugestão de tema!

Para consultas, por favor, clique aqui para conhecer todas as opções. Para realizar o pedido, basta enviar um e-mail para a página de contato que, em breve, responderei!

 


Obras consultadas

Banzhaf, Hajo e Theler, Brigitte. Tarô de Crowley: palavras-chave. trad. Thaís Balázs. Ed. Madras: São Paulo, 2017

Godino, Jessica e O’Leary, Lauren. Manual do Tarot Místico Universal. trad.Héctor Ramirez e Edgar Rojas. Ed. Llewellyn Espanhol: St. Paul, MN- USA, 2001.

Estés. Clarissa Pinkola. Mulheres Que Correm Com Os Lobos: mitos e histórias do arquétipo da mulher selvagem. trad. Waldéa Barcellos. 1.a ed. Ed. Rocco: Rio de Janeiro, 2014.

Jodorowsky, Alejandro e Costa, Marianne. O Caminho do Tarot. trad. Alexandre Barbosa de Souza. Ed. Campos: São Paulo, 2016. Selo Chave

Pramad, Veet. Curso de Tarô e Seu Uso Terapêutico. 4. a ed. revisava e ampliada pelo autor. Ed. Madras: São Paulo, 2014.

Sharman-Burke, Juliet e Greene, Liz. O Tarô Mitológico (manual). trad. Fulvio Lubisco. São Paulo: Madras, 2013.

Artigos consultados

Artigo: “XVIII. A Lua: arcano da inteligência instintiva, dos ciclos vitais”. Riemma K., Constantino. site: Clube do Tarot:

www.clubedotarot.com.br/site/m32_18_lua_asp

Imagens

Acervo pessoal

Tarot de Marselha/Crowley/Wirth: Fonte: Pinterest


Sobre a autora

Maeve (Maira Fuzii Louzada) é Facilitadora do Curso de Barras de Access e Practioner da técnica. Master Reiki, Shamballa Multidimensional Healing, Elenari Reiki e Magnified Healing. Terapeuta ThetaHealer com certificado internacional nos cursos DNA Básico, Avançado e Manifestação & Abundância com formação em Psicoterapia Holística e operadora da Mesa Cristalina Metatrônica. Consultora oracular nos sites Iquilibrio e Fortunica e colunista do site O SegredoRealiza atendimentos presenciais em Porto Alegre e à distância através dos sites IquilibrioSagrado & Feminino e Blog Taro Fácil . Siga meu perfil nas redes sociais!

Para agendar uma consulta, por favor, entre em contato pelo e-mail clicando aqui

Share This:

LEAVE YOUR COMMENT

Your email address will not be published.

You Might Also Like

Here you can find the related articles with the post you have recently read.