O Naipe de Paus

O naipe de paus é um dos quatro seguimentos do grupo dos arcanos menores. Também denominado como bolotas, varas, cetros, trevos ou bastões, relaciona-se a natureza do fogo e aos aspectos a ele atribuídos, tais como: a vontade, o poder, a criatividade, a vitalidade, a força, a paixão, o desejo, o ímpeto, a agressividade, a ação, a agilidade, o movimento, a velocidade, a honra, os valores, as crenças e os ideais.cavaleiro-de-paus

Os arcanos do naipe de paus são velozes e venturosos. A presença de muitas cartas desse naipe tende a impor maior velocidade aos acontecimentos. Senão, indica a necessidade de o consulente tomar atitude.

A velocidade é justamente o aspecto que merece maior ponderação, pois, o ritmo mais acelerado pode resultar em decisões irrefletidas tomadas por mero impulso.

Importante lembrar que não existe carta negativa ou positiva. Tudo depende da perspectiva ou como cada pessoa se propõe a vivenciar as experiências representadas pelas cartas. Este naipe em particular é normalmente bem recebido porque traz movimento à vida e coloca a pessoa em contato com seus desejos e aspirações. A carta do 8 de Paus, por exemplo, fala sobre a capacidade de superação quando existe real engajamento para um objetivo. O Rei de Paus é uma carta que indica a necessidade de usar com sabedoria o poder de decisão.

O elemento fogo representa as paixões, os desejos que impulsionam a trajetória do homem na terra. É o luminoso, belo e volátil fogo da vida, a potência divina que permite criar a realidade através das escolhas ou decisões. O naipe de paus pode surgir em uma consulta apenas para alertar o consulente sobre a importância de desejar consciente e não somente para si.

sacerdotisa-do-fogo-2Desejar implica ter consciência da vontade, do que realmente se quer no coração. O fogo é o elemento transformador. Na tradição esotérica, não existe mudança sem que haja vontade, por isso, qualquer modificação na realidade deve acontecer primeiro no coração do indivíduo.

Algumas pessoas atribuem ao naipe de paus uma conotação individualista ou até egocêntrica, pois, ele coloca o individuo no centro do universo. Porém, ao compreender que nenhuma mudança acontece de fora para dentro, mas, sim, de dentro para fora, ela exige um centramento em si mesmo. Se por um lado não é possível mudar o outro, a possibilidade de reformar a si mesmo está sempre disponível e isso reverbera em todos ao redor e no mundo como um Todo.

Para compreender as cartas do naipe de paus é preciso partir do ponto de vista da vontade. Mas o que é Vontade?

as-de-paus-5Segundo algumas correntes esotéricas, vontade é “tesão”. Algo que está fora do alcance de sua mente intelectiva, pois, tesão é algo que se sente não se explica. Libretos de tarôs ligados a tradições esotéricas ou ocultistas, como o da Golden Dawn, frequentemente substitui a palavra “vontade” por “tesão” a fim de retira-la dos processos mentais ligados ao ego.

O tipo de vontade representada pelo naipe de paus não é uma constatação do que é certo ou errado, aceitável ou inaceitável. Não estabelece uma relação entre indivíduos ou do homem em relação à sociedade. É a relação entre o indivíduo e o próprio desejo.

O naipe de paus desperta a compreensão do velho embate entre o desejo do coração e do ego.

Para melhor compreende-lo, recomendo a leitura do próximo post, no qual analiso o naipe de paus na perspectiva do Tarot Mitológico.

Gratidão! Até o próximo post!

Share This:

Especial: O Tarot Halloween

Inspirado na celebração folclórica americana, o Tarot Halloween é uma alegre associação entre o lúdico e o assustador. O Jack O’Lantern – a típica cabeça de abóbora das decorações de Halloween – une-se a outras criaturas da noite, como vampiros, assombrações e monstros em uma festa alucinante.

Para ilustrar cada cena do tarot Rider-Waite-Smith, Kipling West usou e abusou das cores clássicas do Halloween – o preto, o violeta e o abóbora – conferindo um efeito alegre, multicolorido e, ao mesmo tempo, sombrio.

Somos convidados a espiar a festa através dos olhos de um gatinho preto – um expectador ativo como é o próprio consulente.

Os naipes dos arcanos menores foram substituídos de maneira muito interessante, a fim de melhor incorporar os ícones próprios da celebração. O naipe de ouros, relacionado ao elemento terra, foi substituído pelas abóboras – os frutos da terra. O naipe de espadas que se relaciona ao elemento ar foi substituído pelos morcegos voadores. O naipe de paus foi substituído pelas figuras endiabradas conhecidas como imps, remetendo à clássica ideia do inferno escaldante. O naipe de copas foi substituído pelos fantasmas ou almas penadas devido à sua relação com a matéria sutil ou espírito.

O Tarot Halloween é um deck interessante para aqueles que como eu sentem-se atraídos pelo lúdico e incomum. Mas, como outros tarôs temáticos, as ilustrações podem limitar a compreensão de determinado arcano porque traz a perspectiva particular do ilustrador e do autor.

Em alguns casos é possível perceber modificações sensíveis do ponto de vista do Rider-Waite-Smith, a exemplo do que ocorre no arcano 4 de Ouros – o “Four of Pumpkins” (4 de abóboras). Veja-se:

4 de ouros no Tarot Haloween e no RWS

No Rider-Waite-Smith (à direita), o 4 de ouros é representado por um homem sentado sobre um baú. A diadema e outros adereços sugerem que ele possui posição privilegiada, podendo ser um nobre ou um burguês. A expressão facial da figura gera dupla interpretação. A primeira traz a ideia de um estado defensivo, no qual o homem sente que pode perder suas riquezas a qualquer momento e, no afã de protege -las, senta em cima do próprio tesouro.

O 4 de Ouros no tarot Halloween mostra a semeadura cuja mensagem, segundo o libreto, é “cultivar um sentimento de gratidão e fazer o melhor uso de sua vantagem”.

Embora aparentemente não exista ressonância com o deck original, trata-se de uma perspectiva diferente da mesma mensagem. Enquanto o RWS enfatiza uma fragilidade (insegurança, desconfiança ou insatisfação), o Tarot Halloween mostra como proceder. Ter gratidão é viver na graça e para viver na graça é preciso receber não só para si.

A escolha por uma interpretação mais positiva tem a ver com a ideia de brincar com o assustador – o que é o próprio espírito do Halloween.

Obviamente, o conjunto não irá agradar a todos. Nem todo mundo gosta de Halloween ou vai gostar do estilo da arte, com muitos crânios, morcegos e rostos sorridentes assustadores. Alguns fãs do Rider-Waite-Smith podem ficar descontentes com a perspectiva que Karin Lee e Kipling West imprimiu às cartas. Porém, eu altamente recomendo o conjunto a qualquer pessoa que goste da festividade do Halloween e sua simbologia e que se sinta atraída por plataformas divertidas.

Ele propõe um exercício interessante para estudantes sérios do Rider-Waite-Smith que permite ampliar o conhecimento muito além do que é trivialmente ensinado em livros e cursos de tarot.

O Tarot Halloween é publicado pela US Games System, Inc.

O que você achou deste tarot? Deixe o seu comentário!

Share This:

A Roda da Fortuna

Frequentemente, ela aparece para anunciar a presença de forças incontroláveis representando o próprio acaso. A propósito, ‘fortuna’ significa ‘sorte’ ou ‘destino’. Numa tiragem ela pode indicar um golpe de sorte ou um toque do destino.

Algumas vezes, ela sugere um visitante inesperado, como um parente que chega sem aviso. Conjunta a carta da Papisa ela pode indicar uma gravidez não planejada.

Esta é uma carta festejada mas também temida por aqueles que sentem necessidade de controle. Ela é a impermanência. O universo e a vida em constante movimento. É representada por um ciclo, pois, o tempo universal é formado por ciclos perpétuos em constante movimento. Não obstante, ela é relacionada a Roda de Samsara, relacionada as encarnações. A mudança é a ordem da vida e através dela devemos evoluir. Nada é igual. Nada permanece. Tudo se renova. É preciso refletir sobre a própria resistência à mudança, pois, a vida é uma oportunidade que não deve ser desperdiçada

A Roda da Fortuna simboliza tudo que é cíclico. Algumas vezes ela aparece para lembrar que o inverno é a promessa de uma nova primavera. Não há mal nem bem que sempre dure.

Quando associada ao Louco ela alerta para o inesperado, seja na forma de surpresas agradáveis ou de contratempos que desafiam a mais sólida expectativa de sucesso.

Quando ocupa a posição do consulente, a Roda da Fortuna é um presságio de boa sorte. Ainda que esteja cercada de cartas negativas, ela significa que a sorte favorece o consulente. Seguida da carta do Diabo ela alerta que não é bom desafiar a própria sorte. Seguida da Lua, pode indicar que a insegurança e necessidade de controle pode colocar tudo a perder.

Que a energia da mudança eleve a potência de vida em cada coração!

Deixe o seu comentário, inscreva-se e confira o que vem por aí!

Namaste!

Share This: